O ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Joseph Wu, afirmou hoje que “o aumento da intimidação militar da China sobre Taiwan” faz com que a ilha “precise de se preparar para um possível conflito militar” com Pequim.

Wu recordou, numa entrevista à rede norte-americana CNN que “a China nunca renunciou ao uso da força e continua a realizar exercícios militares em torno de Taiwan”.

“Por isso temos de acreditar que [essa ameaça] é real”.

As observações de Wu chegam poucos dias depois de 28 caças chineses terem sobrevoado várias vezes a Zona de Identificação da Defesa Aérea (ADIZ) de Taiwan, tratando-se do maior número de aviões de combate de Pequim desde que as incursões sobre a República da China (ROC) começaram a ser divulgadas por Taipé em Setembro de 2020.

Altos funcionários chineses têm afirmado ser “necessário parar as forças pró-independência de Taiwan para manter a paz no Estreito”.

Na entrevista, Wu, diz que está “honrado” por ser um dos centros de crítica de Pequim: “O autoritarismo não pode tolerar a verdade. Não me interessa se continuam a dizer que me vão perseguir para o resto da minha vida”.

Wu referiu-se também à situação em Hong Kong como uma “tragédia” e disse que o recente encerramento do “Apple Daily”, o diário crítico de Pequim, era “muito triste de ver, porque é um símbolo do jornalismo independente”

“O que o governo chinês quer fazer é derrubar esse símbolo”, denunciou.

As relações entre Taipé e Pequim deterioraram-se, na sequência da chegada ao poder, em 2016, de Tsai Ing-wen, do Partido Democrático Progressista, tradicionalmente hostil ao Governo chinês.

A ilha é independente desde 1949, data em que os nacionalistas do Kuomintang ali se refugiaram depois de terem sido derrotados pelos comunistas, que fundaram, no continente, a República Popular da China.

Pequim considera Taiwan parte da China, a reunificar, se necessário, pela força.

Em Abril, os Estados Unidos reafirmaram o apoio à ilha durante um encontro em Taipé entre três antigos altos funcionários norte-americanos e a Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, ao qual Pequim respondeu com manobras militares na área.